Escola do Campo proporciona uma educação libertadora

Texto- Antonio Kanova

Fotos: Sylviane Guilherme e Ana Santos

Onde ontem era morada dos negros que eram escravizados, açoitados pelo Barão dos Campo Gerais, hoje crianças camponesas podem ler, ter acesso ao conhecimento, cinema, brincar e se divertir.

Foi a alegria e o semblante de felicidade estampado no rosto das 30 crianças da Escola Municipal do Campo Contestado, que marcou a atividade desenvolvida nesta quinta feira (25), pela escola em conjunto com o Centro Cultural Casarão, no Assentamento Contestado, município da Lapa, Paraná.

Foi nessa alegria misturada com curiosidade que as crianças puderam ver os novos livros adquiridos pela escola, mas também desenvolver o habito à leitura. Dentro da matriz curricular da escola, o processo de incentivo à leitura é diário e constante.

“Reforçamos a importância do habito à leitura, mas também reforçamos que a leitura possa ser em ambientes onde as crianças se sintam à vontade. O aprendizado vai para além da escola. A formação tem que ser em vários aspectos, conectando a arte, a literatura, a agroecologia” , disse Ana Claudia, educadora do 3º ano.

É na possibilidade de proporcionar o acesso a diversidade cultural que o Centro Cultural Casarão se soma a estas e outras iniciativas proposta pela escola e o assentamento. “O Casarão é importante por fomentar a formação humana na sua totalidade, promovendo o encontro do público Sem Terra com as artes visuais, a dança, a música, a literatura, o circo, o cinema e o teatro”.  Afirmou Sylviane Guilherme, membra do coletivo de trabalho do Centro Cultural Casarão.

A iniciativa faz parte de uma campanha do Setor de Educação e o Coletivo Nacional de Cultura do MST “Pelo direito à literatura nas escolas do campo”, reforçando a ideia viajar por entre os livros.

Casarão

Uma conquista das famílias do assentamento Contestado. O Centro Cultural Casarão, tornou-se o primeiro espaço de arte em área de reforma agrária da Região Sul do Brasil. Localizado no Assentamento Contestado, na Lapa, Paraná, o espaço tem proporcionado para as famílias a possibilidade de acesso à cultura e à arte.

Desde o início das atividades, em julho de 2018, com a I Escola de Arte do MST da Região Sul, o Casarão tem realizado diversas atividades mensais, desde de exibição de filmes, apresentações teatrais, shows musicais entre outras.

Só no mês de abril, além da atividade em parceria com a escola municipal, foram realizadas algumas exibições de filmes nacionais e latino-americano, além de duas oficinas de caixa, canto e bordado com as Caixeiras do Divino Espírito Santo de Curitiba, a exposição de artes visuais “Natureza, alimento e cores” da artista Débora Santiago, e a apresentação Canturiás do Tatá, com Itaercio Rocha e Matheus Braga, importante artistas populares de Curitiba.

 

MST: Por arte, terra e pão.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.