Campeonato da Reforma Agrária leva alegria e integração às famílias Sem Terra no RS

Por Catiana de Medeiros
Fotos: Leandro Molina

Muito jogo de bola, integração e alegria marcaram a fase final do 8º Campeonato Estadual da Reforma Agrária, realizada neste último final de semana no Assentamento Filhos de Sepé, em Viamão, na região Metropolitana de Porto Alegre.

Cerca de 1 mil acampados e assentados de todas as regiões do estado participaram do torneio de futebol sete, que é promovido desde o ano de 2005, de forma oficial, em áreas de assentamento do MST no RS. O evento também foi prestigiado pelo ex-governador Olívio Dutra e os deputados Edegar Pretto e Dionilso Marcon.

O ato de abertura resgatou a luta das famílias Sem Terra para a conquista do Assentamento Filhos de Sepé, que em 20 anos de história é o maior produtor de arroz agroecológico do Brasil – no local, são colhidas 120 mil sacas ao ano. Lá também são produzidas toneladas de outros alimentos que são comercializados por meio de cestas a domicílio, feiras, Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Ao todo, 28 times participaram do torneio nas categorias Força Livre Masculino, Feminino e Veteranos. A equipe que fez mais pontuações levou para casa o troféu da 8ª edição do campeonato. Segundo o dirigente estadual do MST, Cedenir de Oliveira, o principal objetivo do evento não é promover a competitividade, mas envolver os Sem Terras em torno do esporte, propiciar momentos de integração e alegria, e celebrar os frutos da reforma agrária. É por isso que, além dos jogadores, também entraram em campo, durante mística, alimentos orgânicos que são produzidos em áreas da reforma agrária.

“Nosso lema é Sem Terra não enrola, ocupa terra e joga bola. Aqui no campeonato tem espaço para homens e mulheres, jovens e veteranos, não tem disputa e sim confraternização. Queremos que a alegria continue sempre dentro e fora do campo para construirmos a reforma agrária popular”, explica Oliveira.

A filha de assentados Bianca Pietroski, de 17 anos, joga futebol há uma década e hoje faz parte da equipe feminina do Atlético, que desde janeiro se preparava com outros times da região Metropolitana para o campeonato. Ela mora com os pais no Assentamento Filhos de Sepé e comenta que o torneio é uma oportunidade para rever amigos que vivem em outros lugares. “O esporte também nos une e isso é muito importante, principalmente para os nossos pais que podem reencontrar o pessoal do tempo de acampamento”, diz Bianca.

Veja mais fotos do campeonato: https://www.flickr.com/photos/mst_rs

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.